blog b16

Campanha da fraternidade 2021: sobre críticas a CNBB

Por: Dom Fernando Rifan

“Tem havido ultimamente muitas críticas e mesmo ofensas e insultos à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que requerem esclarecimentos, pois desorientam os católicos.

AOS CARÍSSIMOS IRMÃOS LEIGOS, em cujo ano estamos – ano do laicato -, lembro-lhes paternalmente que a Igreja como mãe os ama, quer o seu bem e deseja escutá-los também.

Sinceramente lhes digo que esses insultos à Conferência Episcopal me atingem também de certa maneira, pois dela faço parte por ser Bispo católico, pela graça de Deus, em plena comunhão com a Santa Igreja.

Aos que pensam que a CNBB é apenas um escritório central, uma agência ou “quase um sindicato dos Bispos”, ensino-lhes que a CNBB é o conjunto dos Bispos do Brasil que, exercem conjuntamente certas funções pastorais em favor dos fiéis do seu território (CIC cân. 447). Conforme explicou São João Paulo II na Carta Apostólica Apostolos suos, é “muito conveniente que, em todo o mundo, os Bispos da mesma nação ou região se reúnam periodicamente em assembleia, para que, da comunicação de pareceres e experiências, e da troca de opiniões, resulte uma santa colaboração de esforços para bem comum das Igrejas”. Ensina ele que “a união colegial do Episcopado manifesta a natureza da Igreja… Assim como a Igreja é una e universal, assim também o Episcopado é uno e indiviso, sendo tão extenso como a comunidade visível da Igreja e constituindo a expressão da sua rica variedade. Princípio e fundamento visível dessa unidade é o Romano Pontífice, cabeça do corpo episcopal”. “O Espírito Santo vos constituiu Bispos para pastorear a Igreja de Deus, que ele adquiriu com o seu próprio sangue” (At 20, 28).

Mas vale ressaltar que a Conferência Episcopal, instituição eclesiástica, não existe para anular o poder dos Bispos, instituição divina. O Papa emérito Bento XVI, quando Cardeal, falou sobre um dos “efeitos paradoxais do pós-concílio”: “A decidida retomada (no Concílio) do papel do Bispo, na realidade, enfraqueceu-se um pouco, ou corre até mesmo o risco de ser sufocada pela inserção dos prelados em conferências episcopais sempre mais organizadas, com estruturas burocráticas frequentemente pesadas. No entanto, não devemos esquecer que as conferências episcopais… não fazem parte da estrutura indispensável da Igreja, assim como querida por Cristo: têm somente uma função prática, concreta”. É, aliás, continua, o que confirma o Direito Canônico, que fixa os âmbitos de autoridade das Conferências, que “não podem agir validamente em nome de todos os bispos, a menos que todos e cada um dos bispos tenham dado o seu consentimento”, e quando não se trate de “matérias sobre as quais haja disposto o direito universal ou o estabeleça um especial mandato da Sé Apostólica”. E recorda o Código e o Concílio: “o Bispo é o autêntico doutor e mestre da Fé para os fiéis confiados aos seus cuidados”. “Nenhuma Conferência Episcopal tem, enquanto tal, uma missão de ensino: seus documentos não têm valor específico, mas o valor do consenso que lhes é atribuído pelos bispos individualmente” (Ratzinger, A Fé em crise, pag. 40 e 41).

Isso posto, recordamos que o espírito de fé e o respeito que o católico deve à hierarquia da Igreja impedem-no de tratar a Igreja como uma sociedade qualquer. Se a chamamos “a santa Madre Igreja”, é porque a consideramos nossa mãe, merecedora de todo o nosso respeito e amor. E não se expõem os defeitos da mãe em público, sobretudo em redes sociais. Mas já que o fizeram, faço aqui alguns esclarecimentos.

Na Igreja, divina na sua fundação, graça, sacramentos e doutrina, mas humana, nos membros que a compõem, tem, por isso mesmo, fraquezas e pecados nos seus membros.

“Cremos na Igreja una, santa, católica e apostólica… Ela é santa, apesar de incluir pecadores no seu seio… É por isso que ela sofre e faz penitência por esses pecados, tendo o poder de livrar deles a seus filhos, pelo Sangue de Cristo e pelo dom do Espírito Santo” (Credo do Povo de Deus).

“A Igreja, que reúne em seu seio os pecadores, é ao mesmo tempo santa, e sempre necessitada de purificação… continua o seu peregrinar entre as perseguições do mundo e as consolações de Deus” (Lumen Gentium,.)

Nosso Senhor comparou o seu Reino a uma rede cheia de peixes, bons e maus (Mt 13, 47-50). A separação será no fim dos tempos. Quem quiser agora uma Igreja só de santos deveria morrer e ir para o céu, onde lá só estão os bons. Por isso, não percamos a fé, ao vermos os erros da parte humana da Igreja.

No conjunto do episcopado brasileiro, há muitos bispos sábios e santos. Mas há também bispos como eu. Nem por isso somos menos dignos de respeito.

Ao combater os erros que existem na parte humana da Igreja, não podemos perder o respeito às pessoas, sobretudo às autoridades da Igreja, e muito menos desprestigiá-las, para alegria dos seus inimigos, com ofensas, exageros, meias verdades e até mentiras, caindo em outro erro. A meia verdade pode ser pior do que a mentira deslavada.

Qualquer pessoa não católica que lesse certos sites e postagens de alguns católicos críticos, injuriando os Bispos e autoridades da Igreja, certamente iria raciocinar: “é impossível que tais pessoas sejam católicas, pois não se fala assim da própria família!”.

Por outro lado, AOS CARÍSSIMOS IRMÃOS NO EPISCOPADO lembro humildemente que, mesmo exagerando e passando dos limites, os clamores dos fiéis leigos podem estar refletindo o “sensus fidelium”, que devemos escutar.

Está na hora de recuperarmos o bom nome da nossa Conferência Episcopal. Não podemos tolerar pacificamente tantos abusos doutrinários e litúrgicos que vemos por aí, em nossas Igrejas, e que fazem tanto sofrer nossos fiéis. Será que eles não estão explodindo de tanto aguentar certas invencionices litúrgicas e aberrações doutrinárias? Não estaria ocorrendo o que São João Paulo II descreveu na sua Encíclica Ecclesia de Eucharistia: “Num contexto eclesial ou outro, existem abusos que contribuem para obscurecer a reta fé e a doutrina católica acerca deste admirável sacramento. Às vezes transparece uma compreensão muito redutiva do mistério eucarístico. Despojado do seu valor sacrifical, é vivido como se em nada ultrapassasse o sentido e valor de um encontro fraterno ao redor da mesa… (n. 10). “Temos a lamentar, infelizmente, que sobretudo a partir dos anos da reforma litúrgica pós-conciliar, por um ambíguo sentido de criatividade e adaptação, não faltaram abusos, que foram motivo de sofrimento para muitos…” (n. 52). “O mistério eucarístico – sacrifício, presença, banquete – não permite reduções nem instrumentalizações…” (n. 61)?

Não sentem nossos leigos vontade de exclamar como os hebreus: “Senhor, invadiram tua herança, profanaram o teu santo templo…” (Sl 79, 1)?

É claro que os nossos fiéis ficam escandalizados vendo ministras não católicas no altar “concelebrando” a Santa Missa junto com os nossos Bispos.

Para que permitirmos em nossos textos a terminologia de “gênero”, que veicula uma ideologia não ortodoxa?

Todos são convidados e bem-vindos aos nossos encontros. Mas por que deixarmos pessoas de mentalidade socialista e mesmo comunista, membros de partidos políticos de “esquerda” serem protagonistas em nossos encontros eclesiais e nos instruírem em análises de conjuntura?

Combatemos com razão os desmandos do capitalismo selvagem, do consumismo e do espírito mercantilista. Mas não podemos nos esquecer dos ensinamentos do Magistério sobre o socialismo: “O socialismo, quer se considere como doutrina, quer como fato histórico, ou como ‘ação’, se é verdadeiro socialismo, mesmo depois de se aproximar da verdade e da justiça, não pode conciliar-se com a doutrina católica, pois concebe a sociedade de modo completamente avesso à verdade cristã… E, se esse erro, como todos os mais, encerra algo de verdade, o que os Sumos Pontífices nunca negaram, funda-se, contudo, numa concepção da sociedade humana diametralmente oposta à verdadeira doutrina católica.

Socialismo religioso, socialismo católico são termos contraditórios: ninguém pode ser ao mesmo tempo bom católico e verdadeiro socialista” (Pio XI, Encíclica Quadragesimo Anno, n. 116 e 119 – 15/5/1931).

Devemos deixar bem claro que somos fiéis à doutrina social da Igreja e, por isso, nos ocupamos das questões sociais e da política, como sendo “uma prudente solicitude pelo bem comum” (João Paulo II, Laborem exercens, 20). A Igreja está ao serviço do Reino de Deus, anunciando o Evangelho e seus valores, mas “não se confunde com a comunidade política nem está ligada a nenhum sistema político” (Gaudium et Spes, 76). Principalmente “a Igreja não pode estimular, inspirar ou apoiar as iniciativas ou movimentos de ocupação de terras, quer por invasões pelo uso da força, quer pela penetração sorrateira das propriedades agrícolas” (Discurso aos Bispos do Regional Sul 1 da CNBB, na sua visita “ad limina”, março de 1996).

Além disso, é preciso que tenhamos clareza na prestação de contas das coletas da Campanha da Fraternidade. Diante da suspeita levantada de que as doações dos fiéis estão indiretamente indo para entidades que patrocinam o aborto e movimentos revolucionários, devemos ser claros na explicação ao nosso povo: se por acaso desviaram suas doações, o que pode acontecer com qualquer esmola que damos, devemos de agora em diante sermos mais exigentes na aplicação desses valores e não permitir tais desvios. Há tantas entidades beneficentes católicas que poderiam receber essas doações!

Que Deus nos abençoe, que Maria, Mãe da Igreja, nos proteja e São José, patrono da Igreja católica, nos defenda do mal.”

Bispo da Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney, membro do Regional Leste 1 da CNBB.

blog b16

Como ter uma conta verificada no Instagram

O famoso selo verificado azul do Instagram é muito desejado pelos usuários da rede social. Ter uma conta verificada no Instagram é a maneira de provar aos visitantes que aquele perfil se trata da presença real da pessoa, marca ou empresa.

Isso ajuda a combater os tão indesejáveis perfis fakes e os roubos de contas.

Conta verificada no Instagram: todos podem ter uma?

Na teoria, sim. Qualquer usuário pode solicitar a verificação do seu perfil. Em 2018, o Instagram optou por tornar mais fácil e acessível para os seus usuários a requisição da verificação do perfil.

Porém, conseguir o selo de verificação ainda é privilégio de poucos. Geralmente pessoas públicas, marcas e empresas famosas, profissionais de destaque em suas áreas, celebridades das artes e dos esportes e organizações reconhecidas são os que têm acesso ao selo azul.

Mas, como dissemos, você também pode tentar o seu. 

Passos para solicitar o selo de verificação do Instagram

O processo pode ser feito por meio do próprio aplicativo, sendo relativamente bem simples. Siga os nossos passos:

1 – Faça o login na conta que você quer solicitar a verificação.

2 – Na tela principal, a que mostra o seu perfil, clique nos três traços que aparecem na parte superior direita e no ícone de configurações.

3 – Clique em “conta”. Em seguida, clique em “solicitar verificação”.

4 – Preencha o formulário com os dados: nome de usuário, nome completo, o nome pelo qual é conhecido e selecione a categoria a que a sua conta pertence.

5 – Por último, anexe uma foto do seu documento de identidade, leia a breve instrução e envie.

Pronto, em algumas semanas você já deve receber a resposta de sua solicitação nas notificações do aplicativo. Caso ela seja negativa, em 30 dias você poderá enviar um novo formulário de requerimento.

Leia também: Instagram para católicos – Lançai as redes

Requisitos para ter uma conta verificada pelo Instagram

Segundo o próprio Instagram, atender aos seguintes requisitos podem aumentar as suas chances de conseguir o selo de verificação:

1 – A conta deve ser a original da pessoa ou empresa, por isso a exigência de documentação oficial.

2 – O perfil deve ser único. A pessoa não pode ter um segundo perfil e também requerer verificação para ele.

3 – O perfil deve estar completamente preenchido com foto, bio e posts.

4 – A quantidade de seguidores não é mais levada em conta. Ou seja, páginas com pouco número de seguidores também podem ser verificadas.

5 – O perfil não pode ter links na bio que direcionam para outras páginas ou redes sociais.

Consegui o selo! Mas é possível perdê-lo?

Sim, é possível perdê-lo. O Instagram removerá a verificação do usuário caso perceba posteriormente qualquer irregularidade na documentação.

Perfis que têm suas contas verificadas não podem mudar o nome de usuário e nem transferir a sua conta a terceiros. Todas essas ações resultam na perda do selo de verificação. Vendas de perfil também são proibidas.

Esperamos que com as nossas dicas você consiga a verificação do seu perfil do Instagram. Caso queira nos acompanhar por lá, você pode encontrar o perfil da B16 clicando aqui.

sao-bento

Novenas de São Bento

Novena de São Bento (1ª opção)

“Senhor, vós me destes a vida. Sustentai-me e assisti-me cada dia para que eu aprenda sempre mais a vos conhecer, amar e servir. Eu vos peço isto pela intercessão do glorioso São Bento.

Pela intercessão deste mesmo santo, eu vos peço ainda que vos digneis conceder-me a graça de…”

– No final destas orações, é recomendável acrescentar o Credo, Pai Nosso, Ave Maria e Glória ao Pai.

Conclusão:
“Santíssimo confessor do Senhor, São Bento, Pai e guia dos monges e dos teus devotos, intercede pela salvação nossa e de todos.”


Novena de São Bento (2ª opção)

A Cruz Sagrada seja a minha luz, não seja o dragão o meu guia. Retira-te, satanás! Nunca me aconselhes coisas vãs. É mau o que tu me ofereces, bebe tu mesmo o teu veneno!

Ó Glorioso São Bento, que sempre mostrou compacto com os necessários, faz também o que nós, recorrendo a Vossa poderosa intercessão, obter ajuda em todas as nossas aflições.
Que em nossas famílias recupera a paz e a tranquilidade, que deixa todas as descrições, sejam corporais, temporais ou espirituais, especialmente o pecado.
Alcançai São Bento, do Senhor Deus Onipotente, uma graça que precisa:

(Peça a graça precisa)

São Bento não tem graça, que termina nossa vida neste vale de lágrimas, toca louvar a Deus convosco no Paraíso.
Rogai por nós, glorioso patriarca de São Bento, para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

São Bento, libertai-nos do mal!
São Bento, libertai-nos da inveja!
São Bento, libertai-nos do medo!
São Bento, liberdade-nos do pecado!

Amém.”


Novena de São Bento (3ª opção)

Primeiro dia

1 – Oração da medalha de São Bento.

2 –  Oração para obter qualquer graça.

3 – Palavra de Deus:

Seguir Jesus é comprometer-se.

“Ao passar pela beira do mar da Galileia, Jesus viu Simão e seu irmão André; estavam jogando a rede ao mar, pois eram pescadores. Jesus disse para eles: ‘Sigam-Me e Eu farei vocês se tornarem pescadores de homens’. Eles imediatamente deixaram as redes e seguiram Jesus” (Mc 1,16-18).

4 – Reflexão:

O chamado dos primeiros discípulos é um convite aberto a todos os que ouvem as palavras de Jesus. Simão e André deixam a profissão, pois, seguir Jesus implica deixar as seguranças que possam impedir o compromisso com uma ação transformadora.

5 – Ladainha de São Bento.

6 – Conhecendo a Regra de São Bento:

O primeiro grau da humildade é a pronta obediência, peculiar àqueles que nada amam acima de Cristo (…).

Essa mesma obediência somente será digna da aceitação de Deus e suave para os homens, se a ordem for executada sem delongas, sem hesitações, sem morosidade, sem murmuração ou qualquer palavra de resistência (…).

Se o discípulo obedecer de má vontade e se murmurar, ainda que não o faça com a boca, mas só no coração, ainda que cumpra a ordem recebida, sua obra não será agradável a Deus, que vê o íntimo dos corações; e longe de obter alguma graça por tal ação, incorrerá na pena dos murmuradores se não fizer reparação e não se corrigir (cap.5, Obediência).

7 – Oração conclusiva.

Segundo dia

1 – Oração da medalha de São Bento.

2 – Oração para obter qualquer graça.

3 – Palavra de Deus:

Jesus rejeita a popularidade fácil.

“De madrugada, quando ainda estava escuro, Jesus se levantou e foi rezar num lugar deserto. Simão e seus companheiros foram atrás de Jesus e, quando O encontraram, disseram: ‘Todos estão Te procurando’. Jesus respondeu: ‘Vamos para outros lugares, às aldeias da redondeza. Devo pregar também ali, pois foi para isso que Eu vim’. E Jesus andava por toda a Galileia, pregando nas sinagogas e expulsando os demônios” (Mc 1,35-39).

4 – Reflexão:

O deserto é o ponto de partida para a missão.

Jesus encontra o Pai, que O envia para salvar os homens, mas encontra também a tentação: Pedro sugere que Jesus aproveite a popularidade conseguida num dia. É o primeiro diálogo com os discípulos e já se nota tensão.

5 – Ladainha de São Bento.

6 – Conhecendo a Regra de São Bento:

Quando temos alguma coisa a solicitar aos homens poderosos, nós nos aproximamos com humildade e respeito. Com quanto maior razão devemos apresentar nossas súplicas com toda humildade e pureza de devoção ao Senhor Deus do Universo!

Saibamos que não é pela multiplicidade de palavras que seremos atendidos, mas sim pela pureza do coração e a compunção das lágrimas. A prece deve ser, portanto, curta e pura, salvo se, porventura, venha a prolongar-se por afeto inspirado pela graça divina. Mas, em comunidade, que a oração seja curta e, dado o sinal pelo superior, levantem-se todos ao mesmo tempo (cap.20, reverência na oração).

7 – Oração Conclusiva.

Terceiro dia

1 – Oração da medalha de São Bento.

2 – Oração para obter qualquer graça.

3 – Palavra de Deus:

“Um leproso chegou perto de Jesus e pediu de joelhos: ‘Se queres, Tu tens o poder de me purificar’. Jesus ficou cheio de ira, estendeu a mão, tocou nele e disse: ‘Eu quero, fique purificado’. No mesmo instante, a lepra desapareceu e o homem ficou purificado. Então, Jesus o mandou logo embora, ameaçando-o severamente: ‘Não conte nada para ninguém! Vá pedir ao sacerdote para examinar você e, depois, ofereça pela sua purificação o sacrifício que Moisés ordenou, para que seja um testemunho para eles’. Mas, o homem foi embora e começou a pregar muito e a espalhar a notícia. Por isso, Jesus não podia mais entrar publicamente numa cidade; Ele ficava fora, em lugares desertos. E de toda parte as pessoas iam procurá-Lo” (Mc 1,40-45).

4 – Reflexão:

O leproso era marginalizado, devendo viver fora da cidade, longe do convívio social, por motivos higiênicos e religiosos (Lv 13,45-46). Jesus fica irado contra uma sociedade que produz a marginalização. Por isso, o homem curado deve apresentar-se para dar testemunho contra um sistema que não cura, mas só declara quem pode ou não participar da vida social. O marginalizado agora se torna testemunho vivo que anuncia Jesus, Aquele que purifica. E Jesus está fora da cidade, lugar que se torna o centro de nova relação social: o lugar dos marginalizados é o lugar onde se pode encontrar o Senhor.

5 – Ladainha de São Bento.

6 – Conhecendo a Regra de São Bento:

Durma cada um em uma cama.

Tenham seus leitos de acordo com a profissão do monge e segundo as ordens do abade. Se for possível, durmam todos no mesmo lugar; porém, se o grande número não o permitir, durmam dez ou vinte juntamente, tendo com eles monges mais velhos para vigiá-los.

Uma lâmpada iluminará o dormitório, sem interrupção, até o amanhecer.

Os monges dormirão vestidos, cingidos com os cintos ou cordões, mas não terão faca a seu lado, para que não se firam enquanto dormem e sempre estejam prontos e, assim, dado o sinal, levantem-se sem demora, apressem-se mutuamente e antecipem-se no oficio divino, mas com toda a gravidade e modéstia.

Que os irmãos mais jovens não tenham leitos juntos, mas intercalados com os dos mais velhos. Levantando-se para o ofício divino, despertem-se uns aos outros com moderação, a fim de que não tenham desculpa os sonolentos (cap.22, o sono dos monges).

7 – Oração Conclusiva.

Quarto dia

1 – Oração da medalha de São Bento.

2 – Oração para obter qualquer graça.

3 – Palavra de Deus:

Jesus rejeita a hipocrisia social.

“Jesus saiu de novo para a beira do mar. Toda a multidão ia ao Seu encontro e Ele a ensinava. Enquanto ia caminhando, Jesus viu Levi, o filho de Alfeu, sentado na coletoria de impostos. Então, disse-lhe: ‘Siga-Me’. Levi se levantou e O seguiu. Mais tarde, Jesus estava comendo na casa de Levi.

Havia vários cobradores de impostos e pecadores na mesa com Jesus e Seus discípulos; com efeito, eram muitos os que O seguiam. Alguns doutores da lei, que eram fariseus, viram que Jesus estava comendo com pecadores e cobradores de impostos. Então, eles perguntaram aos discípulos: ‘Por que Jesus come e bebe junto com os cobradores de impostos e pecadores?’. Jesus ouviu e respondeu: “As pessoas que têm saúde não precisam de médico, mas só as que estão doentes. Eu não vim para chamar os justos e, sim, os pecadores” (Mc 2,13-17).

4 – Reflexão:

Os cobradores de impostos eram desprezados e marginalizados, porque colaboravam com a dominação romana, cobrando imposto e, em geral, aproveitando para roubar. Jesus rompe os esquemas sociais que dividem os homens em bons e maus, puros e impuros.

Chamando um cobrador de impostos para ser Seu discípulo, e comendo com os pecadores, Ele mostra que Sua missão é reunir e salvar aqueles que a sociedade hipócrita rejeita como maus.

5 – Ladainha de São Bento.

6 – Conhecendo a Regra de São Bento:

Zele-se, com grande cuidado, para que esse vício da propriedade seja arrancado pela raiz no mosteiro. Ninguém ouse dar ou receber coisa alguma sem a autorização do abade, nem possuir algo próprio, absolutamente nada, nem livro, nem tabuinha (de escrever), nem estilete.

Em uma palavra: coisa nenhuma, já que não lhes é lícito ter a seu arbítrio sequer o próprio corpo nem a própria vontade. Mas devem esperar do pai do mosteiro tudo de que necessitam.

Não seja lícito a ninguém possuir o que não lhe seja dado pelo abade ou por ele permitido ter. Seja tudo comum a todos, como está escrito e, que ninguém tenha a ousadia de tornar seu qualquer objeto, nem mesmo por palavras.

Se alguém se deixar levar por tão detestável vício, será advertido a primeira e segunda vez. Se não se emendar, será submetido à correção (cap.33, se os monges devem ter alguma coisa de próprio).

7 – Oração Conclusiva.

Quinto dia

1 – Oração da medalha de São Bento.

2 – Oração para obter qualquer graça.

3 – Palavra de Deus:

“Num dia de sábado, Jesus estava passando por uns campos de trigo. Os discípulos iam abrindo caminho e arrancando as espigas. Então, os fariseus perguntaram a Jesus: ‘Vê: por que os teus discípulos estão fazendo o que não é permitido em dia de sábado?’. Jesus perguntou aos fariseus: ‘Vocês nunca leram o que Davi e seus companheiros fizeram quando estavam passando necessidade e sentindo fome? Davi entrou na casa de Deus, no tempo em que Abiatar era Sumo Sacerdote, comeu dos pães oferecidos a Deus e os deu também para os seus companheiros. No entanto, só os sacerdotes podem comer desses pães’”.

Jesus acrescentou: “O sábado foi feito para servir ao homem e não o homem para servir ao sábado. Portanto, o Filho do Homem é Senhor até mesmo no Sábado” (Mc 2,23-28).

4 – Reflexão:

O centro da obra de Deus é o homem e cultuar Deus é fazer o bem a ele. Não se trata de estreitar ou alargar a lei do sábado, mas de dar sentido totalmente novo a todas as estruturas e leis que regem as relações entre os homens, porque só é bom aquilo que faz o homem crescer e ter mais vida.

Toda lei que oprime o homem é lei contra a própria vontade de Deus e deve ser abolida.

5 – Ladainha de São Bento.

6 – Conhecendo a Regra de São Bento.

Antes de tudo e acima de tudo, deve-se cuidar dos enfermos, que deverão ser servidos como se fossem o Cristo em pessoa (…).

De seu lado, os doentes considerem que são servidos em honra de Deus e não entristeçam, com exigências supérfluas, os irmãos que os servem. Contudo, os doentes devem ser suportados com paciência, porque, por meio deles, adquire-se maior recompensa.

O abade vigie, portanto, com todo o cuidado, para que não sofram nenhuma negligência.

Haja uma cela separada para os enfermos e, para servi-los, um irmão temente a Deus, diligente e solícito.

O uso dos banhos será conhecido aos doentes todas as vezes que for conveniente, mas aos que estão com saúde, principalmente aos jovens, seja raramente concedido.

A alimentação de carne seja concedida aos doentes e aos que se acham debilitados, mas tão logo se restabeleçam retomarão a abstinência habitual.

Tenha, pois, o abade o máximo cuidado para que os celeireiros e os enfermeiros nada negligenciem no serviço aos doentes, pois ele é o responsável por todas as faltas em que possam incorrer seus discípulos (cap.36, dos irmãos enfermos).

7 – Oração Conclusiva.

Sexto dia

1 – Oração da medalha de São Bento.

2 – Oração para obter qualquer graça.

3 – Palavra de Deus:

“Nisso chegaram a mãe e os irmãos de Jesus; ficaram do lado de fora e mandaram chamá-Lo. Havia uma multidão sentada ao redor de Jesus. Então, lhe disseram: ‘Olha, tua mãe e teus irmãos estão aí fora e te procuram’. Jesus perguntou: ‘Quem é Minha mãe e Meus irmãos?” Então, Jesus olhou para as pessoas que estavam sentadas ao seu redor e disse: ‘Aqui estão Minha mãe e Meus irmãos. Quem faz a vontade de Deus, esse é Meu irmão, minha irmã e Minha mãe’” (Mc 3,31-35).

4 – Reflexão:

Enquanto a família, segundo a carne, está “fora”, a família segundo o compromisso da fé está “dentro”, ao redor de Jesus.

Sua verdadeira família é formada por aqueles que realizam, na própria vida, a vontade de Deus, que consiste em continuar a missão de Jesus.

5 – Ladainha de São Bento.

6 – Conhecendo a Regra de São Bento:

Se bem que o homem, já por natureza, seja levado à compaixão para com essas duas idades, a velhice e a infância, também a autoridade da regra deve intervir no que lhes diz respeito.

Tenha-se, pois, sempre em vista, sua fraqueza e não se mantenha, em relação a eles, o rigor da regra no que diz respeito à alimentação;

Mas se use, em seu favor, condescendência misericordiosa, permitindo que antecipem as horas regulares das refeições (cap.37, dos anciãos e das crianças).

7 – Oração Conclusiva.

Sétimo dia

1 – Oração da medalha de São Bento.

2 – Oração para obter qualquer graça.

3 – Palavra de Deus:

O mistério da missão de Jesus

“Quando se acharam a sós, os que O cercavam e os doze, perguntaram a Jesus o que significavam as parábolas. Ele disse para eles: ‘Para vocês, foi dado o mistério do Reino de Deus; para os que estão fora, tudo acontece em parábolas, para que olhem, mas não vejam; escutem, mas não compreendam; para que não se convertam e não sejam perdoados’” (Mc 4,10-12).

4 – Reflexão:

As parábolas são histórias que ajudam a ler e compreender toda a missão de Jesus. Mas é preciso “estar dentro”, isto é, seguir Jesus para perceber que o Reino de Deus está se aproximando por meio de Sua ação. Os que não seguem Jesus ficam “por fora” e nada podem compreender.

5 – Ladainha de São Bento.

6 – Conhecendo a Regra de São Bento:

A vida de um monge deve ser, em todo tempo, observância da Quaresma. Como, todavia, essa perfeição apenas se encontra em pequeno número, exortamos os irmãos a que conservem vida muito pura durante os dias da Quaresma e apaguem, nesses santos dias, todas as negligências dos outros tempos, o que faremos dignamente, abstendo-nos à oração com lágrimas, à leitura, à compunção do coração e à abstinência.

Acrescentemos, pois, nestes dias, alguma coisa ao nosso encargo habitual: orações particulares, alguma privação no comer e no beber, de forma que cada um, por sua livre vontade, oferece a Deus, na alegria do Espírito Santo, alguma coisa mais do que lhe seja ordenado, isto é, mortifique seu corpo no comer, no beber, no sono, na liberdade de falar e na jovialidade e, que espere a Santa Páscoa com a alegria de um desejo todo espiritual.

No entanto, cada um deverá dizer ao seu abade o que deseja oferecer, a fim de que, tudo se faça com o seu consentimento e o socorro de suas orações, porque tudo o que se faz sem a permissão do pai espiritual será considerado como presunção e vanglória e não terá recompensa.

Que tudo se faça, pois, com a aprovação do abade (cap.49, da observância da Quaresma).

7 – Oração Conclusiva.

Oitavo dia

1 – Oração da medalha de São Bento.

2 – Oração para obter qualquer graça.

3 – Palavra de Deus:

O escândalo da encarnação

“Jesus foi para Nazaré, Sua terra, e Seus discípulos O acompanharam. Quando chegou o sábado, Jesus começou a ensinar na sinagoga. Muitos que O escutavam ficavam admirados e diziam: ‘De onde vem tudo isso? Onde foi que arranjou tanta sabedoria? E esses milagres que são realizados pelas mãos d’Ele? Esse homem não é o carpinteiro, filho de Maria e irmão de Tiago, de Joset, de Judas e de Simão? E suas irmãs não moram aqui conosco?’ E ficaram escandalizados por causa de Jesus. Então, Cristo dizia para eles que um profeta só não é estimado em sua própria pátria, entre seus parentes e em sua família. Jesus não pôde fazer milagres em Nazaré. Apenas curou alguns doentes, pondo as mãos sobre eles. E ficou admirado com a falta de fé deles” (Mc 6,1-6).

4 – Reflexão:

Os conterrâneos de Jesus se escandalizam, não querem admitir que alguém como eles possa ter sabedoria superior à dos profissionais e realize ações que indiquem a presença de Deus. Para eles, o empecilho para a fé é a encarnação: Deus feito homem, situado num contexto social.

5 – Ladainha de São Bento.

6 – Conhecendo a Regra de São Bento:

Ponha-se à porta do mosteiro um ancião prudente que saiba receber e transmitir recado e, cuja maturidade, não lhe permita vaguear. O porteiro deve ficar alojado perto da porta, a fim de que, os que chegam encontrem-no sempre presente para os atender.

Logo que alguém bater ou um pobre chamar, ele responderá: ‘Deo gratias’ ou ‘Benedicite’. Com toda a mansidão oriunda do temor a Deus, responda com presteza e fervorosa caridade.

Se o porteiro necessitar de auxiliar, seja-lhe encaminhado um irmão mais moço.

Se possível, o mosteiro deve ser construído, de tal modo que, todas as coisas necessárias, isto é, água, moinho, horta, oficinas e os diversos ofícios, exerçam-se dentro do mosteiro, a fim de que, não haja necessidade dos monges saírem e andarem fora, o que de nenhum modo convém as suas almas.

Queremos que essa regra seja frequentemente lida na comunidade, para que nenhum irmão se desculpe sob pretexto de ignorância (cap.66, do porteiro dos mosteiros).

7 – Oração Conclusiva.

Nono dia

1 – Oração da medalha de São Bento.

2 – Oração para obter qualquer graça.

3 – Palavra de Deus:

A missão dos discípulos

“Jesus começou a percorrer as redondezas ensinando nos povoados. Chamou os doze discípulos, começou a enviá-los dois a dois e dava-lhes poder sobre os espíritos maus. Jesus recomendou que não levassem nada pelo caminho, além de um bastão; nem pão, nem sacola, nem dinheiro na cintura. Mandou que andassem de sandálias e que não levassem duas túnicas. E, Jesus disse ainda: ‘Quando vocês entrarem numa casa, fiquem aí até partirem. Se vocês forem mal recebidos num lugar e o povo não escutar vocês, quando saírem, sacudam a poeira dos pés como protesto contra eles’. Então, os discípulos partiram e pregaram para que as pessoas se convertessem. Expulsavam muitos demônios e curavam muitos doentes, ungindo-os com óleo” (Mc 6,6b-13).

4 – Reflexão:

Os discípulos são enviados para continuar a missão de Jesus: pedir mudança radical da orientação de vida (conversão), desalienar as pessoas (libertar dos demônios), restaurar a vida humana (curas).

Os discípulos devem estar livres, ter bom senso e estar conscientes de que a missão vai provocar choque com os que não querem transformações.

5 – Ladainha de São Bento.

6 – Conhecendo a Regra de São Bento:

Assim, como há um zelo mau de amargura que separa de Deus e conduz ao inferno, também existe o zelo bom que afasta dos vícios, conduz a Deus e à vida eterna.

Exerçam, portanto, os monges esse zelo com amor fraterno, isto é, antecipem-se uns aos outros em honra e atenções.

Tolerem com grande paciência as enfermidades de outrem, quer corporais, quer espirituais. Obedeçam uns aos outros à porfia. Nenhum procure aquilo que lhe parece vantajoso para si, mas sim, o que for útil para os outros.

Ponham em ação, castamente, a caridade fraterna. Temam a Deus. Amem seu abade com afeição humilde e sincera.

Nada, absolutamente nada, anteponham a Cristo, o qual se digne levar-nos, todos juntos, à vida eterna (cap.72, do bom zelo que os monges devem ter).

7 – Oração Conclusiva.


Oração da medalha de São Bento: A Cruz Sagrada seja a minha luz, não seja o dragão o meu guia. Retira-te, satanás! Nunca me aconselhes coisas vãs. É mau o que tu me ofereces, bebe tu mesmo o teu veneno!

Oração para obter qualquer graça: Ó glorioso patriarca São Bento, que vos mostrastes sempre compassivo com os necessitados, fazei que também nós, recorrendo à vossa poderosa intercessão, obtenhamos auxílio em todas as nossas aflições.
Que nas famílias reine a paz e a tranquilidade, afastem-se todas as desgraças, tanto corporais como espirituais, especialmente o pecado.
Alcançai do Senhor a graça que vos suplicamos, obtendo-nos finalmente para que, ao terminar nossa vida nesse vale de lágrimas, possamos louvar a Deus convosco no Paraíso.
Rogai por nós, glorioso patriarca São Bento, para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

Ladainha de São Bento:
Senhor, piedade Senhor, piedade.
Cristo, piedade Cristo, piedade.
Senhor, piedade Senhor, piedade.
Cristo, piedade Cristo, piedade.
Cristo, ouvi-nos Cristo, ouvi-nos.
Cristo, atendei-nos Cristo, atendei-nos.
Deus, Pai do céu, tende piedade de nós.
Filho, Redentor do mundo, tende piedade de nós.
Deus, Espírito Santo, tende piedade de nós.
Santíssima Trindade, Único Deus, tende piedade de nós.
Santa Maria, rogai por nós.
Glória dos Patriarcas, rogai por nós.
Compilador da Santa Regra, rogai por nós.
Retrato de todas as virtudes, rogai por nós.
Exemplo de Perfeição, rogai por nós.
Pérola da Santidade, rogai por nós.
Sol que resplandece na Igreja de Cristo, rogai por nós.
Estrela que brilha na casa de Deus, rogai por nós.
Inspirador de Todos os Santos, rogai por nós.
Serafim de fogo, rogai por nós.
Querubim transformado, rogai por nós.
Autor de coisas maravilhosas, rogai por nós.
Dominador dos demônios, rogai por nós.
Modelo dos Cenobitas, rogai por nós.
Destruidor dos ídolos, rogai por nós.
Dignidade dos confessores da fé, rogai por nós.
Consolador das almas, rogai por nós.
Ajuda nas tribulações, rogai por nós.
Santo Pai abençoado, rogai por nós.
Cordeiro de Deus que tirais os pecados do mundo, perdoai-nos Senhor!
Cordeiro de Deus que tirais os pecados do mundo, atendei-nos Senhor!
Cordeiro de Deus que tirais os pecados do mundo, tende piedade de nós, Senhor!
Refugiamo-nos debaixo de vossa proteção ó Santo Nosso Pai Abençoado.
Não desprezeis as nossas necessidades e tribulações.
Ajudai-nos na luta contra o inimigo malvado e, no nome do Senhor Jesus, alcançai-nos a vida eterna.

V. Ele é abençoado por Deus.
R. Aquele que, do céu, defende todos os seus filhos.

Oração Conclusiva

Ó Deus, que fizestes o abade São Bento preclaro mestre na escola do Vosso serviço. Concedei que, nada preferindo ao Vosso amor, corramos de coração dilatado no caminho dos Vossos mandamentos.

Por Nosso Senhor Jesus Cristo, na unidade do Espírito Santo. Amém.

blog-922-2d3c52f8

CASES DE MARKETING CENTRO-OESTE: COMO NÃO PARAR EM TEMPOS DE CRISE – De 15/06 a 19/06

Como as agências de marketing digital do Centro-Oeste estão transformando negócios e impulsionando o crescimento de empresas neste momento?

A união de estratégias digitais de marketing & vendas aliadas à transformação de processos e negócios para o ‘novo’ normal resultaram em cases que vão ajudar você a reinventar a forma de pensar sua atuação no marketing digital.

Durante toda a próxima semana, especialistas de marketing digital do Centro-Oeste se juntam à Resultados Digitais para apresentar estratégias que estão gerando resultados para os mais diversos segmentos de mercado. E você pode participar gratuitamente!

[ONLINE] CASES DE MARKETING CENTRO-OESTE: COMO NÃO PARAR EM TEMPOS DE CRISE
De 15/06 a 19/06

Confira a programação:

15/06 – Marketing & Vendas em tempos de crise para o Agronegócio – Convidados: Agência Carandá, Agência Index e Especialista em Sucesso do Cliente RD.
16/06 – Marketing & Vendas em tempos de crise para a área de Saúde – Convidados: Agência Eixo, Agência Index e Especialista em Sucesso do Cliente RD;
17/06 – Marketing & Vendas em tempo de crise para o setor Imobiliário – Convidados Agência Carandá, Agência Grifo e Especialista em Sucesso do Cliente RD
18/06 – Marketing & Vendas em tempo de crise para a área de Educação Convidados Agência B16, Agência Eixo
19/06 Marketing & Vendas em tempo de crise para o Ensino Superior – Convidados: Conteúdos Edu.

Não é hora de parar seu marketing, é hora de reinventá-lo! Inscreva-se agora gratuitamente e aprenda com especialistas o que você pode fazer agora.

PS: Conhecimento fica melhor quando compartilhado, não? Divulgue para seus colegas!

pexels-emma-bauso-2253879

Marketing educacional católico: por que investir num serviço especializado

O investimento em marketing educacional pode trazer consequências  que vão além do possível aumento no número de matrículas e no lucro da instituição. Embora  tudo isso faça parte do processo, há um componente importante e que diz respeito ao posicionamento das marcas e ao relacionamento com as pessoas.

As ferramentas de marketing digital oferecem possibilidades e caminhos que variam de acordo com a necessidade apresentada. Algumas têm respostas quase imediatas, outras – sobretudo as que se baseiam em construção de relacionamento, nutrição de conteúdo e engajamento – podem levar tempo. 

Marketing educacional católico

Philip Kotler, considerado o “pai” do marketing, ressalta em seu livro “Marketing estratégico para instituições de ensino” que as estratégias de marketing vão além de atrair matrículas e aumentar o número de alunos.

Segundo o autor, elas precisam encontrar formas para mantê-los na instituição e devem estar direcionadas para que os alunos se sintam satisfeitos e felizes com o serviço oferecido na escola.

Nesse sentido, é essencial que a instituição católica de ensino promova suas ações de acordo com os valores estabelecidos que, por sua vez, devem estar alinhados com a Tradição, o Magistério e as Sagradas Escrituras da Igreja.

Aliás, há diversos públicos que interagem no cenário educacional: professores, administradores e fornecedores, cada um exigindo uma maneira diferente de relacionamento. O aluno, é claro, é o agente mais decisivo para as tomadas de decisão.

Identificar a persona da instituição irá contribuir muito, especialmente no trabalho de produção de conteúdo, já que para estabelecer um relacionamento é preciso saber com quem se está falando.

Manter a comunicação em dia, possibilitando que o público lembre e perceba a marca não somente quando ela precisa, é crucial para gerar confiança e é basicamente o objetivo das estratégias de Inbound Marketing.

Também é importante lembrar aqui a relevância das redes sociais. Mas é preciso um planejamento e monitoramento adequados para a comunicação não parecer “aleatória” e acabar sendo um esforço inútil.

Serviço especializado em marketing educacional

Com tudo isso em mente, o ideal é ter um profissional ou agência de marketing especializada na área educacional para possibilitar uma comunicação eficiente e que contemple os objetivos da empresa.

A tendência é que não haja investimento reservado para essas ações, mas é importante considerar essa possibilidade, pois com ideias desordenadas e sem estratégia, os recursos perdidos podem superar muito um investimento neste sentido. 

Nem sempre é necessário ter uma equipe própria de marketing que trabalhe exclusivamente para a instituição, já que esse tipo de investimento pode sair bem mais caro do que trabalhar com uma equipe terceirizada, por exemplo.

Agências especializadas em marketing digital educacional são capazes de oferecer seus serviços à sua empresa, sem que seja necessário ter um alto custo com uma equipe própria, espaço de trabalho e materiais.

A vantagem dessas agências é o conhecimento e a expertise no assunto. Contratando um serviço assim, é possível potencializar o investimento em resultados para o seu negócio! De preferência, opte por aquelas que respeitam a missão e os valores da sua instituição católica.

Nós, da Agência B16, temos a missão de ser uma empresa genuinamente católica atuante na sociedade, com uma equipe profissional, cristã e apaixonada por solucionar problemas com criatividade e tecnologia. 

Resultado disso foi a nossa indicação na categoria “Agência Revelação” de 2019 por meio da parceria com a RD Station, uma das principais plataformas de marketing. 

Se você ficou curioso para saber mais sobre a B16 ou sobre nossos serviços, agende uma conversa conosco!

Tome a melhor decisão para a sua instituição de ensino e tenha um 2020 com resultados de verdade.

pexels-rodolfo-clix-1036936

O poder dos gatilhos mentais

Você sabe o que são gatilhos mentais e para que eles servem? Nesse post, vamos te explicar melhor e dar exemplos de cada categoria!

Vamos lá?

O que são “gatilhos mentais”

Os gatilhos mentais são estímulos obtidos pelo nosso cérebro que indicam qual caminho seguir, com auxílio do nosso sistema nervoso que possui um mecanismo de filtragem para validar as nossas escolhas. Saber utilizar esses gatilhos é uma poderosa arma capaz de gerar resultados para marketing e vendas.

O gatilho mental é uma forma atraente e convincente de apresentar argumentos, levando-se em consideração a psicologia e o comportamento da mente humana em resposta a estímulos sensoriais. 

Fizemos uma lista para te ajudar a conhecer os gatilhos, que podem ajudar a potencializar a sua estratégia, principalmente se você já utiliza o marketing de conteúdo.

1 – Gatilho Mental da Escassez 

O público costuma dar mais valor àquilo que é escasso. Isso acontece porque o nosso inconsciente costuma relacionar a dificuldade em conseguir um objeto desejado ao valor do mesmo.

Quando o cliente não está totalmente seguro sobre uma compra e recebe uma informação como “últimas peças” ou “vagas limitadas”, a possibilidade de não poder mais adquiri-lo o conduz a ter uma atitude decisiva. 

Ex: Escassez de Lote – “As 100 primeiras compras terão 20% desconto”  

2 – Gatilho Mental da Urgência 

O gatilho da urgência é parecido ao da escassez, porém ele está sempre relacionado ao tempo limite para os produtos ou serviços serem adquiridos. Ao usar esse gatilho, você ativará um comportamento impulsivo no seu cliente.

Isto acontece quando algo demanda urgência, não pensamos muito, apenas agimos no ato inconsciente de nos resguardarmos de um perigo iminente (no caso, o fato de nunca mais conseguir adquirir determinado produto).

Para ativar esse gatilho, você pode usar palavras e expressões como “apenas hoje” ou “agora” que, assim como o gatilho da escassez, levam a pessoa a decidir-se mais rapidamente.

Ex: Ganhe 50% desconto, apenas hoje até 22 horas. 

É importante lembrar que ao usar essas gatilhos, da escassez e da urgência, o produto ou serviço sejam realmente finitos e urgentes. Dessa forma a sua empresa não perde a credibilidade e a reação do seu público será muito mais eficiente.

3 – Gatilho Mental da Autoridade

Você precisa mostrar que entende bem sobre aquilo que se propôs a oferecer ou explicar e posteriormente vender. Uma forma muito eficiente de utilizar esse gatilho é oferecer materiais úteis e gratuitos, antes mesmo de colocar produtos à venda.

Mostre às pessoas que você tem experiência no assunto, adquira a confiança delas e a autoridade será uma consequência. Nesse caso, a opinião de alguém que já conhece o seu produto ou o seu conhecimento sobre determinado assunto podem dar ainda mais relevância e credibilidade ao que está sendo oferecido. 

4 – Gatilho Mental da Reciprocidade

Falamos no gatilho da autoridade que é interessante disponibilizar material gratuito para seus clientes perceberem que você domina determinado assunto. Assim, é possível ativar o gatilho da reciprocidade.

A reciprocidade deve ser um hábito da sua empresa! Esse gatilho é um dos mais importantes, pois mais do que uma estratégia de marketing, mostra os valores de uma empresa. Quando ofereço algo gratuito, a pessoa que recebe fica com o desejo de retribuir de alguma forma. 

Ex: Oferecer brindes, conteúdo extra, etc.

Leia: Marketing educacional católico: por que investir num serviço especializado

5 – Gatilho Mental da Prova Social

O ser humano é social! Se uma pessoa quer comprar um produto ela procura opinião de quem já consumiu, por isso é tão valioso dar visibilidade ao feedback, mostrar fotos de pessoas usando o seu produto, números referentes a quantidade de vendas ou inscritos, potencializar o retorno natural do seu trabalho.

É preciso ter uma atenção redobrada às críticas, nunca desprezá-las. Utilize as reclamações como uma ferramenta de aproximação ao seu cliente, dialogue com ele e mostre o seu interesse e preocupação para tentar reverter em elogio.

Ex: Atrair seguidores (reais!) para seus perfis nas redes sociais ou divulgar avaliações positivas de cientes.

6 – Gatilho Mental do Porquê 

Nossa mente sempre procura respostas racionais para justificar nossas ações. As pessoas gostam de justificar o que fazem. Sendo assim, busque sempre dar essa resposta no produto que você está oferecendo.

Quanto melhor e mais verdadeiros forem seus argumentos, maiores serão as chances de seu público confiar em você.

É preciso agregar valor ao seu produto, mostrar a relevância daquilo que está sendo oferecido. Uma boa forma de acrescentar valor ao seu produto é associá-lo a uma campanha social, um dia festivo ou uma parceria, por exemplo. 

Principalmente quando são usados gatilhos como da urgência e escassez, torna-se necessário esclarecer o porque do produto ter uma quantidade limitada ou ter um dia específico para parar de ser vendido ou acabar uma promoção.

Caso não exista uma justificativa, é possível gerar nas pessoas a desconfiança de ser apenas uma estratégia para venda.

7 – Gatilho Mental da Antecipação

Pesquisas indicam que projetar como será o futuro gera felicidade, então um ótimo gatilho é criar expectativa. Planeje o lançamento do seu produto, conteúdo ou serviço com antecedência e comece a fazer a publicidade para mexer com a imaginação do seu consumidor.

Uma forma de usar esse gatilho é dando pequenas dicas de como será seu produto, dando algumas informações, semeando o produto que será lançado. 

8 – Gatilho Mental da Novidade 

Quando uma pessoa tem contato com algo novo o seu organismo aumenta a liberação de dopamina o neurotransmissor responsável pela sensação de prazer. Apesar daquilo que parece familiar trazer um sentimento conforto a novidade tira uma pessoa da zona de conforto e provoca a busca da recompensa pós-compra.

É possível praticar esse gatilho dando versões atualizadas do seu produto, com um novo design, ou uma nova tecnologia. Tenho certeza que rapidamente você lembrará de empresas de celular e de carro que usam esse gatilho com muita frequência.

9 – Gatilho Mental da Relação entre Dor x Prazer 

Ao longo do dia o ser humano passa por muitas situações e naturalmente as decisões tomadas serão para evitar o que causa dor e conquistar o que causa prazer. Sendo assim, esse gatilho mental é extremamente importante, pois baseia-se naquilo que orienta todas as nossas escolhas.

Para o uso desse gatilho é necessário conhecer quais são as dores do seu público alvo. O que o incomoda? Porque o seu produto irá amenizar as dificuldades dele? Foque no sofrimento das pessoas, fale sobre cada aspecto negativo daquele incômodo e como aquilo tem atrapalhado a vida dele. Em seguida, apresente seu produto como a resolução para aquele problema, sempre utilizando palavras negativas para enfatizar os desafios e palavras positivas para engrandecer as soluções.

Concluindo…

É importante frisar que o uso dos gatilhos para atingir seus objetivos não significa mentir ou usá-los apenas para benefício próprio, porque aí já seria uma manipulação, e não persuasão. A persuasão consiste em entender o que o seu público pensa e deseja e, a partir disso, traçar estratégias de forma com que os seus objetivos se alinhem a esses desejos.

Pense a longo prazo, aja sempre com ética e entregue aquilo que foi prometido!

Deus abençoe, Agência B16.

Leia também: Saiba como a B16 superou as metas de matrículas dos clientes

sao-bento-750x500

São Bento: o santo da oração e do trabalho

Ora et labora

A frase mais famosa da Santa Regra (Regula Monasteriorum) escrita por São Bento é “Ora et labora”, que significa “orar e trabalhar”. Segundo São Bento, o cristão é chamado a cultivar a vida de oração e trabalho não de forma separada, mas como uma única coisa.

São Bento entende a oração como meio para permanecer na presença do Senhor o dia inteiro, ajudando a ver no trabalho uma ocasião de encontro com Deus, serviço e amor a Deus e ao próximo.

Via no trabalho a melhor situação para o homem amadurecer, adquirir disciplina e virtudes, porque a graça de Deus atua na alma com os esforços do homem em ser melhor. Assim, o trabalho tem um sentido de redenção.

Regula Monasteriorum

São Bento escreveu a Regula Monasteriorum (Regra dos Mosteiros) que é chamada de Regra Beneditina ou Regra de São Bento e que influenciou diversas ordens religiosas.

A Regra tinha a intenção de conter importantes ensinamentos espirituais não só para monges, mas para todos os leigos.

Os mosteiros fundados por São Bento, que depois se multiplicaram por todo o mundo, tornaram-se centros de cultura, e muitos monges davam aulas em escolas e universidades.

Um grande número de Papas da Igreja Católica Apostólica Romana vieram da Ordem Beneditina, como Bento XII (1334-1342), Santo Urbano V (1362-1370) e Gregório XVI (1831-1846).

Medalha de São Bento

São Bento ficou famoso pelas tentações que teve e venceu com o auxílio de Deus e a luta pessoal por corresponder a graça.

A medalha de São Bento é usada por muitos católicos, desde a Idade Média, para pedir proteção contra as tentações e perigos e também simboliza a devoção e amor dos fiéis a um dos maiores santos de toda a história do Cristianismo.

Medalha de Sao BEnto

A frente da medalha mostra São Bento segurando a Santa Regra com a sua mão esquerda e a cruz com a sua mão direita.

Ao redor de São Bento está escrito Eius in obitu nostro praesentia muniamur que significa Sejamos protegidos pela presença de São Bento na hora de nossa morte.

Está escrito na esquerda da imagem de São Bento Crux S. Patris e na direita Benedict . Crux S. Patris Benedict significa a Cruz do Santo Pai Bento porque os monges beneditinos consideram São Bento como pai espiritual.

 

No topo da medalha está escrito PAX que significa Paz.

 

Entre as hastes da Cruz está escrito:

C S P B – Crux Sancti Patris Benedicti que significa Cruz do Santo Pai Bento.

Na haste vertical da Cruz está escrito:

C S S M L – Crux Sacra Sit Mihi Lux que significa Cruz Santa Seja a Minha Luz.

Na haste horizontal da Cruz está escrito:

N D S M D – Non Draco Sit Mihi Dux que significa Não seja o dragão o meu guia.

Ao redor da Cruz está escrito na direita:

V R S N S M V – Vade Retro Sátana Numquam Suade Mihi Vana que significa Retira-Te, Satanás, Nunca Me Aconselhes Coisas Vãs!

Ao redor da Cruz está escrito na esquerda a continuação da oração:

S M Q L I V B – Sunt Mala Quae Libas Ipse Venena Bibas que significa É Mau O Que Me Ofereces, Bebe Tu Mesmo Os Teus Venenos!

 

Esta oração de São Bento é utilizada por muitos fiéis para vencer tentações.

 

Estamos unidos na oração e no trabalho. 🙏🖥

 

Com informações de: http://www.blogcruzterrasanta.com.br/